O site do Gourmet trabalha com tecnologias recentes e seu browser pode não suportar todos os recursos.
Sugerimos que atualize a versão do seu navegador para ter acesso a todo o site.
Fechar esta notificação
Compartilhar Compartilhar Compartilhar Compartilhar

Contedo de   Anonymus Gourmet :: 

Dieta das Vizinhas Namoradeiras

por Anonymus Gourmet

12/03/2018 16:56     26/03/2018 14:32

“Morro e não vejo tudo” - disse Anonymus Gourmet, muitos anos atrás, numa tarde ensolarada de Verona, durante a Vinitaly, uma das maiores feiras de vinhos e gastronomia do mundo, rivalizando com a Vinexpo francesa nos números assombrosos: dez gigantescos pavilhões, abrigando 4 mil expositores que recebiam 140 mil visitantes de uma centena de países. Na Sala di Stampa eram 2,5 mil jornalistas, entre os quais Anonymus.


A perplexidade de Anonymus Gourmet não foi em razão desses números da grande feira. Mas sim por causa de uma degustação de... Azeite! Degustação de azeite? Por certo que depois que a Playboy promoveu uma degustação de água mineral, tudo é possível. Naquele ano, junto com a Vinitaly, ocorria o Salone dello Olio di Oliva, conhecido por SOL, nome que sugeria uma irônica consolação diante daqueles dias de primavera gelada e nublada de Verona. E, nesse salão, eram organizadas degustações. Já imaginou uma degustação de azeite? O convite do pessoal da Veronafiere, organizadores da Vinitaly, era irresistível. Mas a querida Janice, da Câmara Italiana de Comércio do Rio Grande do Sul, preveniu:


“Te cuida, porque não vai ser azeite em salada”.
E, de fato, não havia uma só folha de alface por perto, e nenhum tomate desgarrado apareceu para salvar Anonymus Gourmet, obrigado a beber azeite em copo, como se fosse vinho. Os degustadores, talvez por exigência regimental, faziam aquelas mesmas caras inescrutáveis dos entendidos em vinho: observavam o conteúdo do copo de azeite contra a luz, com a sobrancelha erguida e olhar inquisitivo. Depois, uma lei não escrita mandava enfiar o nariz no copo e fechar os olhos numa espécie de transe, sorvendo um gole, bochechando lentamente, para, em seguida, “mastigar” o óleo.


Nas degustações de vinho, os iniciados não engolem: cospem num recipiente adequado, temendo serem embriagados por aqueles sabores que tentam compreender. Mas os experts do azeite engoliam. E faziam discursos insondáveis, semelhantes aos seus colegas do vinho. Anonymus Gourmet ficou entusiasmado com a experiência por outros motivos, que nada tinham a ver com as caras e bocas dós degustadores: “lembrei de um amigo, que passou dos 90 anos de idade, forte e rijo – sempre de olho numas vizinhas namoradeiras, segundo confidenciava.”


O tal amigo atribuía à saúde – e o olho vigilante nas vizinhas – a um copinho de azeite de oliva que engolia toda manhã, desde sempre, bem antes de a medicina descobrir o que se sabe hoje: que o azeite de oliva tem substâncias que combatem o mau colesterol, os problemas cardiovasculares e previnem o câncer. Com expressão precavida, Anonymus bebeu mais um gole de azeite: “é a dieta das vizinhas namoradeiras. Um copo de esperança rumo aos 90 de idade”.

Comentários