O site do Gourmet trabalha com tecnologias recentes e seu browser pode não suportar todos os recursos.
Sugerimos que atualize a versão do seu navegador para ter acesso a todo o site.
Fechar esta notificação
Compartilhar Compartilhar Compartilhar Compartilhar
  • Marina Guedes

    Eu sou a Marina Vitrio Guedes, cozinheira apaixonada pela profisso que, antes de tudo, aprecia a arte de comer bem! Estou frente da cozinha da Gastromundi - Catering e Eventos e meu dia a dia intenso. Elaboro os menus, fao pesquisas, planejamento, crio novas receitas, treino e lidero a equipe tanto na pr-preparao, como na execuo dos eventos. Com esta coluna quero compartilhar com os leitores - sejam eles profissionais, curiosos ou apreciadores de uma boa comida - minhas experincias gastronmicas por dois olhares: do comensal e de quem est nos bastidores. Curiosidades da gastronomia brasileira e internacional, da confeitaria, informaes, dicas e tcnicas culinrias so os temas abordados.

Contedo de   Blogs#Marina Guedes :: saboreada com calma

Comida com alma,

04/08/2017 08:41     04/08/2017 08:46

“Come devagar, minha filha!” Ouvi isso tantas vezes da minha mãe quando era criança... A gordinha gulosa que saboreava com veemência a comida preparada com tanto carinho não imaginava a profundidade dessa frase. Comer devagar vai muito além de se alimentar com calma, saboreando cada mastigada. Vai desde a maneira com que lidamos com a matéria-prima, os ingredientes utilizados. Tem profunda influência com o meio em que vivemos, com a paisagem, com a biodiversidade e com as tradições.

Dentro dessa filosofia está o movimento Slow Food, que se tornou uma associação internacional sem fins lucrativos. Fundada em 1989, conta hoje com mais de 100 mil membros e com apoiadores em mais de 150 países. O princípio básico desse movimento é o direito à alimentação com calma, prazerosa, utilizando produtos artesanais, que valorizem o produtor e respeitem o meio ambiente e as tradições.

Nas minhas andanças e descobertas, tive o prazer de me hospedar em uma propriedade que cultiva essa filosofia. Me senti em casa. Difícil chamar aquele local de hotel. Parecia estar na casa da vó, da dinda ou daquela amiga do interior. Numa cidade pitoresca e pequena da Serra gaúcha, está o Parador Hampel. Um atendimento excelente. Percebia-se a felicidade daquelas pessoas que ali trabalhavam. Elas também aparentavam estar na casa da vó.

Naquele final de semana acontecia ali um projeto chamado A ferro e fogo. Encabeçado pelo chef Marcos Livi, um dos maiores pesquisadores da culinária da região Sul que propaga a cultura dos pampas pelo Brasil afora. O projeto propõe cozinhar ao ar livre somente com materiais que remetem a ferro e fogo como grelhas, espetos, gaiolas, panelas de ferro e, é claro, carvão, lenha e fogo. Com instrumentos engenhosos e bem arquitetados, saboreamos carnes feitas de forma lenta e arraigada em nossas tradições: costela, cordeiro, leitão, galinha caipira. Sem falar nos acompanhamentos: um bufê montado sobre um gigantesco

fogão à lenha repleto de comidas da nossa terra: polenta mole, aipim, moranga caramelizada, farofa de pinhão, legumes assados na brasa entre outras iguarias típicas.

Este gaúcho, nascido e criado em São Francisco de Paula, local onde se encontra o hotel de sua propriedade, de uma forma muito gentil nos fez sentir a fundo o verdadeiro significado de “slow”. Naquele final de semana experimentei outro ritmo de vida, onde não há pressa para nada e se pode aproveitar com alegria e prazer cada minuto. A comida feita com calma, saboreada com calma e que utiliza ingredientes da nossa terra tem um sabor carinhoso e reconfortante. Respeito ao alimento, ao produtor, às tradições, ao meio ambiente e ao ato de comer é requisito fundamental para quem prepara e para quem consome. Respeito é a palavra!

Comentários